fbpx

Telerradiologia: tudo o que você precisa saber sobre o assunto

À medida que a tecnologia cresce mundialmente, a medicina acompanha esses avanços para proporcionar melhores tratamentos e incrementar as técnicas de cuidados à saúde. Um dos principais avanços tecnológicos nas práticas médicas na última década é a telerradiologia.

O assunto está em alta: recentemente, o Conselho Federal de Medicina (CFM) lançou uma nova resolução a esse respeito. Cada vez mais, se deseja adicionar possibilidades para a telemedicina. Atualmente, até mesmo cirurgias estão começando a poder ser realizadas a distância. Desse cenário, a radiologia não poderia ficar de fora.

Com laudos a distância, essa prática da telemedicina tem passado por importantes evoluções nos últimos anos. No entanto, aqueles que procuram usufruir da telerradiologia devem ficar atentos a fornecedores que primam pela excelência e pela qualidade. Neste artigo, ajudaremos a solucionar as dúvidas a respeito do laudo a distância e a entender como tirar o melhor proveito dessa prática.

Afinal, o que é a telerradiologia?

Também conhecida como laudo a distância, a telerradiologia proporciona grandes vantagens em diversas aplicações clínicas. As imagens de algumas modalidades de exames são enviadas à equipe de médicos radiologistas, que serão encarregados de emitir os laudos.

Após ser realizado o exame no Centro de Imagem, o envio desse exame é feito para a empresa especializada para a análise médica. No caso de companhias com grande expertise nessa área, como a Teleimagem, é realizado um acompanhamento personalizado.

O médico radiologista especialista na área analisará os exames e, na sequência, será feita uma dupla leitura e revisão dos laudos. Em casos complexos, o exame é analisado por equipes especializadas para que haja precisão no diagnóstico antes da liberação do laudo ao Centro de Imagem, que entregará ao paciente.

O comum é que o radiologista que fornece o laudo — que “lauda”, na terminologia médica — esteja presente fisicamente no local de imagem. Na telerradiologia, esse conceito não se aplica. Sua principal diferença é que ela permite que médicos especialistas forneçam um laudo de uma imagem a distância. Para tanto, emprega-se a mais recente tecnologia em obtenção, armazenamento e transmissão de imagens.

Em um serviço que prima pela excelência, a Teleimagem realiza as orientações necessárias para a otimização na realização das imagens. Tanto podem ser oferecidas orientações a respeito de imagens excessivas e desnecessárias quanto podem ser solicitados exames complementares que ajudarão na precisão de diagnóstico.

Quais são os benefícios?

A prática da telerradiologia, além de encurtar a distância geográfica entre os Centros de Imagem e a equipe especializada de médicos radiologistas, proporciona diagnósticos diferenciados a estabelecimentos de saúde que não contam com médicos subespecializados ou que possuem a necessidade de complementar o seu corpo clínico.

A emissão de laudos a distância promove, ainda, grandes benefícios a clínicas que encontram dificuldades em emitir o laudo médico em um tempo mínimo recomendável e, sobretudo, atingir alto índice de qualidade.

As clínicas que recorrem à telerradiologia e, assim, terceirizam a emissão de laudos podem contar com uma equipe médica especializada em diversas áreas e complementar a sua equipe médica local.

Os médicos solicitantes têm a possibilidade de discutir com radiologistas experientes e qualificados, como aqueles que compõem a equipe da Teleimagem, para alcançar a máxima qualidade no diagnóstico. Se necessário, a realização de imagens complementares ajudará na formulação de um diagnóstico mais apurado.

Quais são os seus diferenciais?

A telerradiologia propicia um ambiente virtual idêntico à sala de radiologia convencional. Com a tecnologia digital na obtenção e transmissão de imagens, profissionais conseguem acesso a elas em perfeita resolução. Por esse motivo, não há diferença no caráter técnico dessas duas modalidades.

A grande diferença da telerradiologia em relação à radiologia como conhecemos é a sua facilidade de implementação. Embora necessite de um investimento inicial, é mais barato e prático manter contato com uma equipe digital. Além disso, o grupo de subespecialistas em imaginologia é mais completo na telerradiologia, podendo haver contato entre vários profissionais.

A telerradiologia também é um método para suprir a demanda de cidades pequenas e empresas de pequeno e médio porte. Muitas vezes, nessas situações, o custo-benefício de se manter uma equipe completa de médicos é muito oneroso: algumas especialidades são muito pouco demandadas, principalmente em horários pouco convencionais. Isso não afasta, no entanto, a importância de poder contatá-las.

Com a telerradiologia, esses profissionais — cuja demanda é menor — podem atender, por exemplo, uma área maior. Com isso, não há o risco de se pagar por um médico que ficará ocioso, apenas aguardando seus casos específicos. Embora não haja diferença técnica com a radiologia convencional, portanto, há uma grande vantagem em termos de gestão.

Melhoria em índices de qualidade

As condições de trabalho da equipe de radiologia influenciam diretamente nos índices de qualidade do serviço. Quando o trabalho é pouco eficiente, laudos atrasam e a chance de equívocos diagnósticos é maior. A telerradiologia permite uma melhor administração de tempo e recursos, otimizando esses parâmetros.

No quadro de profissionais da telerradiologia, o volume de serviço é regulado com mais facilidade. Com dados precisos sobre o número de exames e o de profissionais, é fácil para o gestor identificar onde se deve investir. Dessa maneira, os profissionais não ficam sobrecarregados e não há repercussão negativa nos parâmetros do serviço.

Por isso, a telerradiologia é uma ferramenta que propicia melhora nos seus índices. Os laudos podem ser emitidos com maior rapidez e acurácia, não submetendo a equipe clínica ao seu próprio timing. A chance de algum detalhe passar batido — risco muito relevante na radiologia — também é menor.

Devido a essas características, é mais produtivo que um gestor que implemente a tecnologia tenha em mãos quais aspectos pretende melhorar: o tempo entre o exame e o laudo? A diminuição do índice de erros? Maior disponibilidade de especialistas? Com esses objetivos em mente, é possível implantar a telerradiologia e observar se ela supre satisfatoriamente as expectativas.

O que é necessário para implementá-la?

As clínicas que pretendem adotar a telerradiologia não necessitam de investimentos vultuosos. Inicialmente, basta que esse estabelecimento de saúde disponibilize um computador, no qual será feita a instalação de um software para a conexão com a Central de Laudos que receberá as imagens.

No serviço oferecido pela Teleimagem, a clínica será orientada a respeito de toda a especificação da plataforma, com o auxílio de profissionais de tecnologia da informação para a preparação do ambiente. Além do computador para a instalação do software, é necessário que o contratante possua um scanner simples, que fará o escaneamento de pedidos e questionários.

Uma vez que o computador em questão esteja preparado, há a liberação de acesso remoto para a devida configuração. É realizada, ainda, a comunicação entre os equipamentos de imagem e o computador que receberá as imagens.

Então, assim que o exame é encaminhado corretamente para o sistema, com a visualização de imagens e os pedidos escaneados, há a liberação para que o laudo seja iniciado. A partir daí, o médico radiologista atua analisando tecnicamente os exames e fornecendo o laudo médico.

As clínicas poderão optar pela terceirização dos laudos de todos os exames realizados ou selecionar casos mais complexos, para que haja a elaboração de uma hipótese diagnóstica pelos médicos radiologistas a distância.

Ela é segura?

Como qualquer procedimento na área médica, é correto nos questionarmos em relação à segurança da telerradiologia. Afinal, o sigilo médico impõe aos profissionais da área que não haja extravio de informações e, também, de exames. A segurança do paciente, assim como da própria empresa, são os pilares iniciais de qualquer procedimento digital.

Nesse sentido, a telerradiologia é ainda mais confiável do que a radiologia convencional. Isso ocorre porque os métodos digitais de transmissão de imagem contam com criptografia de última geração, impedindo o extravio. Apenas a clínica e o especialista têm acesso aos exames do paciente, evitando qualquer perda de privacidade.

Além disso, a entrega digital minimiza os erros que podem ocorrer em qualquer centro de diagnóstico. Exames trocados e pedidos ilegíveis são exemplos de equívocos do cotidiano que também comprometem a segurança do paciente. Utilizando a telerradiologia, os erros humanos são minimizados ao máximo e o trabalho médico se torna mais embasado e protegido.

Outro ponto que garante a segurança da telerradiologia é a possibilidade de armazenamento na nuvem. Essa é uma tecnologia que vem sendo progressivamente mais utilizada, mesmo em nossa vida pessoal. Ao contrário do que se possa pensar, ela pode ser ainda menos propensa a erros do que o armazenamento físico.

Isso ocorre porque, quando mantemos os exames em filmes, eles estão acessíveis a todos os envolvidos no processo: enfermeiros, médicos, secretários e quaisquer profissionais da saúde, mesmo os não envolvidos diretamente com o exame, têm acesso a ele. Na telerradiologia, apenas os médicos indicados podem acessar as imagens de interesse.

Qual sistema é utilizado?

Atualmente, a telerradiologia conta com uma tecnologia chamada Sistema de Arquivamento e Comunicação de Imagens; sua sigla, do termo em inglês, é PACS. Por ela, os médicos conseguem conversar em tempo real sobre as imagens transmitidas. Caso seja necessário, o acesso também pode ser não-simultâneo, ou seja, cada médico acessa em seu tempo o conteúdo.

As limitações do PACS são muito pequenas: é necessário, por exemplo, que todos os locais que acessam o sistema tenham conexão ininterrupta à internet. Os softwares de telerradiologia geralmente têm suporte a vários sistemas operacionais, como Linux e Windows. A instalação é simples e os programas são feitos para serem altamente intuitivos.

Por fim, é importante citar que as novas tecnologias na telemedicina têm cabido cada vez mais no bolso — em ambos os sentidos. Além de serem mais rentáveis, esses sistemas podem ser acessados via smartphone e tablet. Essa interação facilita o cotidiano dos médicos e poupa o tempo de se necessitar obrigatoriamente de um computador.

Como é feita a regulamentação da telerradiologia?

Embora não haja a necessidade de grandes investimentos para a adoção do laudo a distância, a prática da telerradiologia demanda outros cuidados. É preciso ter atenção à regulamentação estabelecida pelo Conselho Federal de Medicina (CFM). Caso contrário, a Clínica que recorre à telerradiologia estará sujeita a sanções do órgão regulamentador.

Por meio da resolução Nº 2.107/2014, o CFM determina questões éticas e legais acerca da telerradiologia. Uma das principais determinações se refere à necessidade de uma infraestrutura necessária pela empresa que implantará o laudo a distância, que deve ser apropriada, com recursos tecnológicos condizentes a essa atuação, e sempre complementar a equipe médica local. Além disso, os equipamentos devem ser avaliados constantemente.

O Conselho Federal de Medicina também estabelece que as empresas que praticam a telerradiologia devem ser formadas por médicos especialistas em diagnóstico por imagem.

A resolução 2.107/2014 do CFM reconhece como subáreas da telerradiologia:

  • tomografia geral e especializada;
  • radiologia no âmbito geral e específico;
  • ressonância magnética;
  • mamografia;
  • densitometria óssea;
  • medicina nuclear.

Com o uso do laudo a distância, a clínica poderá ampliar os serviços disponibilizados aos pacientes. A Teleimagem oferece laudos de mais de 200 tipos de exames, além de fornecer treinamentos e orientações sobre tudo o que é exigido pelo Conselho Federal de Medicina, como a necessidade de termo de consentimento assinado pelo paciente para o envio de imagens.

A Teleimagem, com larga expertise nesse mercado, também proporciona apoio às clínicas na compra de máquinas com as melhores indicações técnicas, além de auxílio na aquisição de contrastes, componentes para máquinas e outros materiais com melhor custo-benefício.

Os estabelecimentos médicos que adotam a telerradiologia contam com uma série de benefícios, como a possibilidade de oferecer laudos rapidamente aos pacientes, mas, principalmente, ter o auxílio de médicos radiologistas extremamente capacitados. Para assegurar todos esses benefícios, é preciso ter atenção especial à experiência e qualidade oferecidas pelo serviço a ser contratado.

Neste artigo, você aprendeu um pouco mais sobre a telerradiologia. Agora você já sabe como ela funciona, quais são os processos de instalação e qual a regulamentação a respeito. Em um cenário de franca expansão da tecnologia, ela se tornou uma alternativa prática e barata à radiologia convencional.

A telerradiologia pode ser muito útil para diagnósticos no cotidiano: os profissionais estão mais acostumados com casos mais corriqueiros, e os laudos tendem sempre a ser mais rápidos. Você sabia, no entanto, que ela também pode ser útil em diagnósticos mais complexos? Entenda o papel da telerradiologia nesses casos!

Assuntos que podem te interessar

WhatsApp chat